O truque do IPI zero


Estou com dengue e direto na cama. Quando a dor de cabeça deixa, estou lendo o Kindle Book “Thinking, Fast and Slow” de Daniel Kahneman. O livro trata da maneira na qual o cérebro toma decisões simples e cotidianas, no menor tempo possível e procurando o menor esforço. O livro é completo, fala da mente humana, descreve um modelo tão bem elaborado do ciclo de tomada de decisão do cérebro que eu penso ser possível criarmos um programa de computador que implemente esse modelo.

Quando ouvimos muito sobre alguma coisa, ela deixa de ser um estranho para o nosso cérebro e nos passa a condição de que é algo familiar e não perigosa. Há empresas e governos que investem pesadamente na repetição para passarmos a confiarmos nelas. Além da repetição, o livro fala também do “cognitive bias“, ou seja, das conclusões erradas que chegamos quando uma notícia ou publicidade diz expressões soltas, cujo idéias nos leva a associações erradas e entendemos algo que a notícia e propaganda não disse diretamente. Mas queria que entedêssemos dessa forma. Complicou? Vou ao meu caso:

O caso em discussão aqui é sobre a campanha da Redução do IPI. Esse fato apareceu em toda a mídia. Jornais, governo e a indústria de automóveis investiram muito tempo e dinheiro ao tema do IPI Zero durante do ano de 2012. Toda a campanha de venda de carros dizia que o preço dos carros não tinham IPI e que era a grande oportunidade de comprar seu carro novo. O cérebro, juntando as ideias “redução do IPI” e “oportunidade de comprar” logo entendeu de que os carros estavam mais baratos (cognitive bias). Lamento amigos leitores: Os preços dos carros não estavam mais baratos. Continue lendo O truque do IPI zero