Horário de verão ainda é útil?

O horário de verão foi criado com a ideia de aproveitar melhor a luz do dia e, com isso, economizar energia para iluminar as ruas e as residências. Segundo o site do Guia dos Curiosos, a ideia é de 1784 para economizar velas. Mas, conforme o Wikipédia, a primeira vez que o horário de verão foi efetivamente decretado foi em 1916, pela Alemanha, para economizar carvão após a primeira guerra mundial. Este post questiona a utilidade do horário de verão agora, 100 anos depois, já que o mundo moderno não usa a energia apenas para iluminação.

Não é à toa que o horário de verão demorou para ser adotado. Eu acredito que seria inútil implantar o horário de verão em 1784. O mundo ainda não era industrializado e, por isso, a maioria das pessoas não tinham e nem precisavam do relógio. Uma hora a mais ou a menos não fariam diferença em suas rotinas. As pessoas eram ligadas à natureza, acordavam quando a luz do sol começava a brilhar, ordenhavam as vacas, faziam a plantação ou colheita durante o dia, colocavam os grãos de café para secar ao sol, recolhiam-se quando escurecia. Não havia tantos compromissos com hora marcada. Elas não assistiam às novelas e nem ao Big Brother Brasil na TV. Não tinham essa opção. Não havia leis trabalhistas que limitavam o trabalho para 8 horas por dia. Enfim, o mundo não usava o relógio para o seu dia-a-dia. Por isso, o horário de verão só passaria a ser relevante mesmo durante a era industrial.

A era industrial mudou o jeito de viver das pessoas. Passou a ter horário para entrar e para sair. Iam trabalhar, faça chuva ou faça sol. A iluminação na maioria do século XX era limitada. As indústrias tinham grandes janelas e usavam muito a iluminação natural. Não havia ar-condicionado para confortar os trabalhadores na maior tempo do século passado. Eu me lembro de uma visita que eu fiz em 1984 onde meu pai trabalhava como contador. O escritório ficava no segundo andar do prédio que era uma empresa transportadora, as janelas eram enormes, havia muitos pesos de papel para manter os livros contábeis e notas fiscais protegidos do vento proveniente das janelas abertas ou dos poucos ventiladores do recinto. Nesse tempo, o horário de verão era realmente compreensível. Ar-condicionado? Apenas em uma pequena sala de uns 10 metros quadrados onde ficavam os dois únicos computadores que a empresa possuía.

Escritório sem janelas
Escritório com muita gente e sem janelas

Nestes últimos 30 anos, o Brasil mudou muito. Nos grandes centros há um adensamento populacional muito grande nos escritórios. Os espaços passaram a ser valiosos e muito aproveitado a custo de mais e mais energia. Sempre trabalhei em escritórios onde as janelas nem abrem e sem ventiladores. Na verdade, na maior parte da minha vida profissional, trabalhei em uma sala onde não via nenhuma luz natural. Era comum me assustar quando chegava para trabalhar num belo dia de sol e saía debaixo de uma grande tempestade. O mundo mudou e parece que ninguém percebeu. O horário de verão não faz mais sentido. A iluminação passou a ser necessária todas as horas do dia. Não há mais economia de energia pois não há o aproveitamento da luz natural na maioria dos lugares.

O mundo mudou e parece que ninguém percebeu. O horário de verão não faz mais sentido. A iluminação passou a ser necessária todas as horas do dia.

Menos mal seria se o horário de verão fosse apenas uma coisa inútil para os nossos costumes. Mas não é bem assim: o horário de verão agora atrapalha e pode fazer com que gastemos mais energia ainda. Aqui no Brasil, quanto mais luz do dia, mais calor nas edificações e maior é a demanda pelo ar-condicionado. Ou seja, o horário de verão deixou de ser ajudar e passou a atrapalhar. Mas esta é uma opinião minha baseada em notícias recentes que afirmam que o horário de pico do país mudou. Antes era no início da noite. Agora, o pico de consumo de energia está entre 14:00 e 15:00hrs.

Demanda no início do horário de verão 2012/2013 (ONS)
No relatório da ONS sobre o horário de verão de 2012/2013, a demanda de energia no Rio de Janeiro já apresentava maior consumo à tarde mesmo com horário de verão. Provavelmente já é uma sobreposição do consumo normal da indústria/comércio com o consumo residencial de ar-condicionado.

 

A ONS defende o horário de verão, principalmente, por evitar a sobreposição do consumo industrial/comercial com o consumo residencial no fim do dia. Isto é, a redução da iluminação da indústria/comércio começa às 18:00hrs e o aumento da necessidade de iluminação nas residências começará a partir das 20:00hrs. Estas informações foram obtidas no último relatório técnico publicado e disponível no site da ONS, referente ao horário de verão 2012/2013.

Desde o dia que eu comecei a refletir sobre estas coisas do cotidiano eu via o horário de verão como algo muito radical: Afinal, por que acertar TODOS os relógios do país/região? Afinal, o horário de verão só deveriam mudar a rotina daqueles que estão ligados ao relógio, como os trabalhadores da indústria e comércio e os estudantes. Na realidade, os estudantes nem são tão afetados, pois, eles estarão mais tempo em férias do que na escola. Por isso, não seria mais simples mudar apenas a hora comercial de 8:00-18:00 para 7:00-17:00? Não daria no mesmo? Enfim, pode ser algo de fundo psicológico, já que ninguém gosta de acordar mais cedo.

One thought on “Horário de verão ainda é útil?”

  1. Lendo um livro recente, descobri que a sincronização dos relógios e, por consequência, a necessidade de fuso horários, surgiu no século 19 na Inglaterra com as ferrovias… eles demandaram uma sincronização na origem e no destino, e o rápido aumento da malha ferrovia (um buum que ocorreu na Inglaterra nesse mesmo século) precipitou isso. Antes das ferrovias cada localidade usava sua própria hora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.